Lançamento

Lançamento

coisas que aprendi

.Para saber mais CLIQUE aqui

Conversa do bebê Camelo

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Nesta quarta feira, dia 25


Lembranças da minha professora.


Já vai longe o tempo que comecei a frequentar uma sala de aula.
Longe, no tempo, mas ainda vive no meu coração o bom tempo.
Minha primeira pasta escolar, de couro está aqui, diante de mim, pendurada na parede como que a me lembrar de um tempo inesquecível.
A cena em que meu pai e minha mãe entregaram a pasta, com caderno, lápis e borracha, ficou perpetuada. Uma espécie de tremor saudoso percorre minhas veias ao lembrar tão singelo momento.
E a primeira professora? Ah... querida professora! Quanta saudade.
Seu nome: Brunilda.
Professora Brunilda está tatuada na minha alma.
Curioso é que não me lembro do que ela me ensinou. Não sei dos conteúdos que ela ministrou.
O rosto dela, a voz dela, não sei reconstituir.
Mas como ter saudade de quem não  lembro do rosto, nem da voz, nem do que me ensinou?
Lembro-me da alma dela.
Do jeito, da ternura, da atenção. Ah, disto eu lembro. De ela se aproximar da minha “classe”, ou “cadeira”, ou mesa, não sei como se chamava. Ela curvava-se e me dirigia a palavra. Era doce a palavra dela. Ela tinha interesse em mim. Eu era eu, não o aluno número tal.
Como é bom ser importante para alguém e a lembrança que tenho é de ser importante para ela.
Num lugar, então pequeno, no Morro Redondo, em determinado momento adoeci.
Fiquei em casa, febril, por vários dias. Uma batida à porta: era ela, minha amada professora.
Estremeci de felicidade.
Mais que o “melhoral” que tomava, a visita dela foi meu remédio. Pouco tempo eu estava de volta à aula saltitando dizendo: a professora foi na minha casa.
Quão honrosa visita.
Professoras e professores não ensinam conteúdos apenas.
Muito mais que conteúdos, eles nos emprestam a alma.
Emprestam, não. Dão-nos porções da de sua alma para que levemos ao longo da estrada da vida.
Não sei onde está minha professora Brunilda, hoje. Não sei onde está fisicamente. Porque o coração dela me acompanhou quando, depois de crescido fui ser professor por 35 anos.
Acompanha-me hoje, como psicólogo, cuidando de vidas que, por muitas vezes chegam ao consultório sangrando na alma, sem lembranças doces de pai, de mãe ou de professores que se curvaram dizendo: és importante para mim.
Obrigado, professora Brunilda.
Obrigado a todas as professoras e professores que me presentearam com conteúdos, revestidos de alma.
 Os conteúdos não sei bem onde ficaram, mas a alma de vocês está misturada à minha.
Vocês foram artífices silenciosos de quem eu sou, hoje.
Parabéns a todos que ensinam, que repartem conteúdos e alma
Que Deus os abençoe.

P.S: deixe seu comentário abaixo.
                                                                                                       Vilnei